Noticias Vale do Itajai

Você Informado Sempre!

Saúde

Simuladores de Marte podem acelerar o turismo espacial; entenda como é viver neles

Antes de se tornar a quarta mulher negra a ir ao espaço, Sian Proctor participou de experimentos em locais na Terra que imitam o espaço. Ela contou ao g1 que os testes incluem controle contra desperdícios para tornar futuras viagens mais eficientes. Sian Proctor, da missão da SpaceX à orbita terrestre
Inspiration4/John Kraus
A Nasa e o bilionário Elon Musk, dono da fabricante de foguetes SpaceX, são alguns dos que têm um plano antigo de mandar seres humanos para Marte. Mas antes que isso aconteça, são necessários vários testes para simular como será a experiência de uma pessoa em outro planeta.
Esses experimentos, que também podem contribuir com planos de levar turistas para a Lua, são feitos por astronautas análogos. É o caso de Sian Proctor, que esteve em três simuladores de Marte e um, da Lua.
“Tornar-se uma astronauta análoga, que é alguém que ajuda a promover o voo espacial humano vivendo em simulações de Lua e de Marte aqui na Terra mudou minha vida”, disse Sian ao g1 na quinta-feira (29), durante o evento de tecnologia Universo TOTVS.
Sian foi professora de geologia e ciências por 22 anos e, em 2009, ficou perto de se tornar astronauta da Nasa. Em 2021, ela se tornou a quarta mulher negra a ir para o espaço ao participar da missão da SpaceX. O voo foi o primeiro que chegou à órbita terrestre apenas com tripulação civil.
VÍDEOS: relembre a missão da SpaceX à órbita da Terra
A primeira simulação de Sian foi a HI-SEAS, que analisou como seria o uso de energia, água e comida em Marte e qual seria a melhor alimentação para astronautas. No teste, feito em 2013, um grupo de seis pessoas ficou confinado por quatro meses em uma instalação no Havaí, nos Estados Unidos.
Os participantes tinham que usar trajes espaciais quando saíam para fazer análises do solo no entorno do acampamento, que fica próximo do vulcão Mauna Loa – a composição do solo de Marte é parecida com a do solo do Havaí.
HI-SEAS, instalação no Havaí usada para simular missões para Marte
Michaela Musilova/HI-SEAS/Divulgação
Como foi o 1º voo comercial da Virgin Galactic ao espaço
Golpe com nome da Shein atrai vítimas por YouTube, Google e apps
Eles tiveram ainda a missão de pilotar à distância um rover (robô espacial) que estava no Canadá. Com um espaço individual limitado e pouca privacidade, os astronautas análogos também tiveram que administrar conflitos pessoais enquanto estavam na cúpula.
Sian explicou que as simulações são projetadas para evitar desperdícios. Por exemplo, alimentos são desidratados para ficarem mais leves. Isso diminui a carga de espaçonaves, o que torna os voos mais baratos, mas também serve de aprendizado para quem fica na Terra.
“Tudo isso é criado para nos tornar mais eficientes. Solucionar a questão para o espaço é solucionar também para a Terra. Estamos indo lá para sermos melhores aqui”.
Cientista Yajaira Sierra-Sastre durante atividade ao redor da HI-SEAS, em 2013
Sian Proctor/HI-SEAS/Divulgação
“O trajeto para a Lua e Marte é por meio desses locais análogos, porque é onde aprendemos a viver, trabalhar e nos divertir em um ambiente confinado e isolado”, explicou Sian. “Para mim, isso é animador por causa da pesquisa que resulta disso”.
Para ela, experimentos como esses podem permitir que seres humanos façam viagens para destinos mais distantes no espaço. “Começa nos espaços análogos aqui na Terra para colônias reais na Lua e, então, para assentamentos em Marte”, afirmou.
Segundo Sian, o processo também depende do avanço dos veículos espaciais mais potentes, como a Starship, da SpaceX, e a New Glenn, da Blue Origin.
“Precisamos das empresas e do governo a bordo do avanço dos voos espaciais com humanos porque isso mudará a humanidade para sempre”.
Nova simulação de Marte
No último domingo (25), um novo grupo entrou em uma simulação de Marte. Quatro cientistas ficarão isolados durante um ano em uma casa de 157 m² no Johnson Space Center, em Houston, nos Estados Unidos.
O espaço foi batizado de Mars Duna Alpha e foi feito em uma impressora 3D com uma mistura de concreto que imita a lava de um vulcão. O experimento vai monitorar a saúde dos voluntários para entender como seres humanos sobreviveriam em Marte.
Pessoas vão viver por mais de um ano simulando condições de Marte

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *