Noticias Vale do Itajai

Você Informado Sempre!

Automobilismo

Mercado de ‘scooters’ cresce, e Honda Elite 125 quer manter a liderança entre as mais baratas

Apesar da perda de potência, novo motor tem resposta ágil e consumo de combustível é um dos mais baixos do mercado. A novidade chega para concorrer com Yamaha NEO 125 e Haojue Lindy 125. Honda Elite 125 2024 tem quatro opções de cor: verde metálico, branca, prata e vermelho
Divulgação | Honda
A Honda Elite 125 chega ao mercado por R$ 12.966, com mudanças para se manter entre as duas scooters mais vendidas do Brasil. Tem um novo motor, sistema start-stop para economia de combustível e banco mais confortável.
De acordo com o mais recente levantamento da Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos (Fenabrave), a Elite 125 aparece na segunda posição entre as scooters mais vendidas do Brasil, com 12.276 unidades vendidas no primeiro semestre deste ano.
Ela só perde para a irmã de marca, a Honda PCX 160, que conquistou 30.558 consumidores com uma proposta e um preço mais elevados.
Nas demais montadores, ela chega para concorrer com:
Yamaha NEO 125 por R$ 12.790 e
Haojue Lindy 125 por R$ 13.438.
A Haojue Lindy deve passar por reformulação ainda este ano, uma vez que seu motor ainda é carburado, tecnologia ultrapassada e que o Programa de Controle de Poluição por Motocicletas, Motociclos e Ciclomotores (Promot 5) não permitirá a partir de 2025.
Já a NEO peca em equipamentos, como falta do painel digital, do sistema start-stop e o consumo fica abaixo do que é feito pela Elite. Porém, a ciclística da scooter da Yamaha sai na frente por ter rodas de 14 polegadas, que dão mais disposição para superar as irregularidades das vias.
A importância das scooters
Os scooters têm dominado o mercado e não precisam de números para comprovar que passaram a ser uma das preferências do brasileiro. Basta olhar para as ruas das grandes cidades e perceber que a quantidade desse tipo de motocicleta cresceu bastante depois da pandemia.
Muito desse crescimento se deve à facilidade de pilotagem. Ainda segundo a Fenabrave, o segmento com maior participação no mercado de motos é o das City, que engloba modelos como Honda CG 160 (a mais vendida desde 1976) e Yamaha Factor.
Scooters já correspondem a 36% do mercado de motos
Initial plugin text
Mas as scooters cresceram em participação do último ano até agora.
Em 2023, no acumulado de janeiro a junho, os scooters e CUBs representaram 32% das vendas. No primeiro semestre de 2024, o segmento ficou com 36% de participação de mercado. Um crescimento de 4% que representa a maior percentagem desse segmento desde 2019.
Confira abaixo a participação desse segmento no comparativo de vendas do primeiro semestre dos últimos cinco anos:
2019: 34,53%
2020: 34,03%
2021: 33,35%
2022: 35,97%
2023: 32,23%
2024: 36,02%
“A queda em 2023 se deve à falta de alguns componentes para a fabricação dessas scooters. Em 2024, esse fornecimento foi normalizado”, relatou Luiz Gustavo Guereschi, supervisor de relações públicas da Honda Motos.
“Deste ano em diante, é esperado um crescimento porque existem outros ‘players’ entrando no mercado e aderindo ao conceito de mobilidade mais acessível”, completou.
Diferentemente das motos tradicionais, as scooters possuem câmbio automático, o que torna a aprendizagem muito mais intuitiva para quem acabou de tirar carta de moto. Para conduzir, basta acelerar e frear.
LEIA MAIS
Honda traz novas tecnologias na Pop 110i ES para seguir viva no mercado; veja outras opções
Conheça a Bajaj, gigante indiana que vai produzir 20 mil motos por ano no Brasil
VÍDEO: testamos a primeira Tesla Cybertruck do Brasil, ao lado de Danielzinho Grau
Honda convoca recall para donos da Sahara 300 por desligamento do motor
Novo farol é de LED e em uma peça única
Divulgação | Honda
Segundo números apurados pela Honda, a Elite é a primeira motocicleta de 62% de seus compradores. Grande parte do público é formado por mulheres (60%).
A segunda geração da Elite 125 chega após seis anos com um motor totalmente novo para atender às exigências do Promot 5, o Programa de Controle de Poluição do Ar por Motociclos.
Lâmpadas da traseira são halógenas
Divulgação | Honda
Novidades
O g1 testou a Elite 125 nesta semana, em lançamento oficial organizado pela Honda.
Apesar de novo, o motor de 123,9 cm³ perdeu 1 cv de potência em relação à geração anterior, totalizando 8,2 cv e 1 kgfm de torque. Suficientes para carregar até 150 kg, que é o peso máximo que a motocicleta pode levar.
Em compensação, a potência e torque surgem com menos esforço, bastando rodar ligeiramente o manete do acelerador para alcançar um bom desempenho.
O motor 125 tem duas tecnologias inéditas: o ESP (Enhanced Smart Power), que nada mais é do que a utilização de materiais com baixo índice de atrito para melhorar o funcionamento das peças internas do motor.
Initial plugin text
A outra é a ISS, Idling Stop System, que funciona como um start-stop. Ao parar em um semáforo, por exemplo, o sistema desliga o motor da moto por alguns instantes em prol da economia de combustível e menor emissão de poluentes. Ao menor giro do manete do acelerador, o sistema eletrônico religa o motor em uma fração de segundos e ela fica de prontidão para arrancar.
O ISS elimina a necessidade de ter um alternador e um motor de arranque, pois ele reuniu o papel dos dois em uma única peça.
Sobre o conforto, a suspensão dianteira permanece a mesma da geração anterior. Já a traseira é nova, e ganhou a opção de três níveis de ajuste. Ou seja, dá para personalizar a dureza do sistema de acordo com o peso de cada motociclista.
Initial plugin text
Porém, os pneus de 10 polegadas na dianteira e 12 na traseira ainda tornam a vida de quem anda pelo castigado asfalto das grandes cidades um verdadeiro martírio para as costas.
Para se ter noção, as rodas de uma moto City são de 18 polegadas, como na CG 160. E a máxima é verdadeira: rodas maiores passam por obstáculos maiores. Rodas com aro menor copiam as imperfeições do solo e transferem tudo para o condutor.
A despeito da tentativa da Honda de deixar a Elite mais confortável com seu banco mais largo, a física é implacável e não permite milagres com rodas tão diminutas. É uma aracterística que se repetia na antecessora da Elite, a Honda Lead (descontinuada em 2016), que tinha aros nas mesmas medidas.
Initial plugin text
O painel de instrumentos agora é 100% digital e dividido em duas partes. Acima, ficam informações como velocidade máxima e rotação do motor. Há também uma barra denominada “ECO”, com a qual é possível medir o quanto o piloto está sendo “econômico” na tocada da Elite.
Na parte inferior, dados como consumo instantâneo e médio, quilômetros totais e parciais, nível de combustível e autonomia.
O bagageiro da nova Elite ficou ligeiramente mais largo
Initial plugin text
Esteticamente, a Elite 125 está mais alta, mais comprida e mais larga. O farol é de LED e traz luzes de posição diurna na parte superior frontal, para chamar mais atenção dos motoristas ao redor. A lanterna e as luzes de seta, entretanto, possuem lâmpadas halógenas.
Sob o banco, o bagageiro está mais largo, mas só cabe um capacete aberto. Essa é outra conveniência importante dos scooters em relação às motos tradicionais. Ter um espaço para deixar o capacete e não precisar carregar o item para cima e para baixo é uma grande vantagem.
Outro ponto de destaque são os dois ganchos para pendurar bolsas e sacolas de até 1,5 kg cada. Com eles, é possível fazer pequenas compras e ter a certeza de que elas não vão sair rolando pelo caminho e, com isso, a usabilidade da Elite 125 foi bastante aprimorada.
Gancho suporta sacolas e bolsas de até 1,5 kg
Divulgação | Honda
Economia de combustível é o ponto alto dos scooters
Na prática, a principal diferença da Elite foi a adoção de um guidão mais alto. Isso permitiu que pessoas mais altas subam na moto sem bater o joelho na peça e deixa a pilotagem mais segura.
De fato, a posição de pilotagem melhorou bastante quando se compara ao modelo anterior. O peso abaixo do banco do piloto proporciona um centro de gravidade concentrado, o que ajuda nas mudanças de direção.
Quem anda de moto sabe que mudar de direção com agilidade é fundamental para garantir a segurança, sobretudo para iniciantes, que é o público-alvo deste modelo.
Yamaha NEO tem rodas de 14 polegadas na dianteira e na traseira
Divulgação | Yamaha
A velocidade máxima da Elite 125 é de 89 km/h. A aceleração de 0 a 60 km/h — já que ela não chega a 100 km/h — é realizada em 9,8 segundos. Um desempenho longe de tirar o fôlego, mas o propósito dela é outro: a economia de combustível.
E nesse quesito dá para dizer que ela surpreende. Medições realizadas pelo Instituto Mauá de Tecnologia revelam que a Elite 125 2024 alcança a média de 49,9 km/h em circuito misto (urbano e estrada).
Contudo, em nosso primeiro contato com a moto, a média de consumo foi de 51,9 km/l em teste urbano de 58 km.
No teste realizado pelo g1, conseguimos média de consumo de 51,9 km/l
Vinicius Montoia | g1

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *